Blog de informação sobre a micose, uma infecção da pele causada por fungos e que pode aparecer em qualquer pessoa.
publicado por Tim | Quinta-feira, 28 Junho , 2012, 12:02

Muitas pessoas sofrem de uma condição e infecção da pele que se chama coceira genital. A coceira genital é então uma infecção da pele que aparece, como o nome indica, na área genital. Esta infecção tanto pode aparecer nos homens como nas mulheres, sem escolher idade, etnia ou estatuto social.

 

Causas da coceira genital

 

A coceira genital, sendo uma infecção da pele, é causada por um fungo, que se "instala" na zona genital, pois o fungo (e a maior parte delese, se não todos) propaga-se sempre muito mais e melhor em ambientes húmidos e escuros. O pé de atleta é um óptimo exemplo disso mesmo.

 

Como a coceira genital aparece na zona íntima, há que descobrir porquê. O tipo de roupa que se veste tem um papel fundamental no seu aparecimento. Se se usar roupa mais apertada constantemente, há sempre mais hipóteses da pele transpirar mais, porque não há espaço para circular o ar.

 

Como tal, a zona íntima aumenta de temperatura, originando suores, e esses suores, adicionados à fricção das coxas nessa área, causam um descomforto, mas que é o ideal para que o fungo apareça e desenvolva.

 

Quais são os sintomas?

 

A coceira genital é uma infecção que pode ser bastante descomfortável, devido aos seus sintomas. Os sintomas que mais se notam são uma comichão na zona genital. A pessoa sente muita vontade de coçar essa zona, dando origem depois a um avermelhar da mesma.

 

A vermelhidão pode depois passar a pele mais escamosa, devido ao coçar e intenso e também à fricção com a roupa. Esta pele escamosa pode depois transformar-se em feridas ou bolhas, podenso por sua vez criar um líquido algo esbranquiçado ou amarelado.

 

Para além da pele avermelhada, esta também pode ficar com uma cor ora mais

escura ora mais clara, dependendo do grau da coceira genital e da pessoa.

 

Tratamentos disponíveis

 

Algo muito fácil de se fazer para poder-se prevenir e evitar a coceira genital é ter uma higiene íntima mais assídua. Ao lavar e secar bem a sua zona genital regularmente terá mais hipóteses de "repelir" a coceira genital.

 

O uso de roupas muito apertadas também deve ser evitado, especialmente se estiver sentado(a) durante todo o dia ou se movimentar-se também todo o dia.

 

O uso de talco também é muito usado, não sendo só para bebés e crianças. O talco absorve a humidade e não irrita a pele.

 

Para além de existirem medicamentos e cremes, muitas pessoas também viram-se agora para os chamados tratamentos naturais. Este tipo de tratamentos da coceira genital poderão ser aplicados a nível tópico, dando um alívio e redução da infecção da pele, com o passar do tempo.

 

Como com qualquer outro tratamento, recomenda-se sempre continuar com o tratamento tópico natural mesmo depois da coceira genital ter passado, para que se tenha menos hipóteses do surto voltar.


publicado por Tim | Segunda-feira, 25 Junho , 2012, 12:19

O molusco contagioso (molluscum contagiosum é o seu nome científico, em latim) é uma infecção viral da pele que aparece em muitas pessoas, tanto adultas como em crianças. Esta infecção da pele não é considerada séria e normalmente pode desaparecer sem qualquer tratamento no espaço de alguns meses.

 

Como é que o molusco contagioso aparece?

 

O molusco contagioso aparece normalmente através do contacto com pessoas já infectadas (contacto directo entre peles) ou de uma forma mais indirecta, através de objectos que foram por sua vez infectados por essas pessoas. Entre os objectos podemos incluir tolhas, roupas, brinquedos de crianças, etc.

 

Imagem de Molusco Contagioso

 

Como dito no parágrafo acima, tanto os adultos como as crianças podem "apanhar" molusco contagioso. No caso das crianças, isto pode acontecer quando brincarem com outras crianças, enquanto que nos adultos isso pode acontecer após relações sexuais, por vezes quando isso acontece com parceiros diferentes. Também um sistema imunitário algo enfraquecido poderá ser uma causa para o seu aparecimento. 

  • Contacto directo - o contacto directo entre peles, especialmente com uma pessoa já infectada.
  • Partilha de objectos contaminados - tolhas, brinquedos, roupas, etc. poderão transportar o vírus desta infecção da pele.
  • Contacto sexual - não significa somente um acto sexual completo, mas sim também o contacto físico íntimo.
  • Sistema imunitário - pessoas com um sistema imunitário "permeável" estão sempre mais sujeitas a certo tipo de infecções, sendo o vírus do molusco contagioso uma delas. 

Assim que uma pessoa é infectada com o vírus do molusco contagioso, este pode propagar-se para outras zonas do corpo e da pele.

 

Quem está mais em risco?

 

Existe um grupo de pessoas que pode estar mais em risco de obterem a infecção de molusco contagioso, e este grupo de pessoas inclui: 

  • Crianças entre os 1 e os 5 anos de idade.
  • Pessoas que tiveram vários parceiros sexuais.
  • Pessoas com um sistema imunitário enfraquecido, como por exemplo as que sofrem do vírus da SIDA ou as que tiveram tratamentos de quimioterapia, para um cancro. 

Características do molusco contagioso

 

Esta infecção da pele é caracterizada por pequenos pontos que podem variar entre o branco, o rosa e o vermelho. são também redondos, como uma verruga, algo firmes e com cerca de 1-5 milímetros de diâmetro. Normalmente o molusco contagioso aparece em pequenos grupos, em várias partes da pele, embora seja mais raro aparecer nas palmas das mãos e nas solas dos pés. Se espremer um molusco, um líquido esbranquiçado deverá sair.

 

Outra Imagem de Molusco Contagioso

 

Como é que o molusco contagioso se desenvolve?

 

O molusco contagioso leva normalmente cerca de 2 a 8 semanas para desenvolver-se, após a pessoa estar infectada com o vírus. O molusco, como foi mencionado acima, desaparece por si próprio após algumas semanas; cada um dos moluscos (os pontos) "vive" entre 6 a 12 semanas, depois forma uma espécie de crosta e finalmente desaparece. No entanto, também é possível que novos moluscos apareçam logo após outros terem desaparecido, o que significa que esta infecção pode aparecer e desaparecer durante meses.

 

Normalmente leva cerca de 6 meses a 1 ano para que a infecção de molusco contagioso desapareça por completo, mas por vezes a infecção pode permanecer por mais de 2 anos, às vezes até 5 anos.

 

Sintomas do molusco contagioso

 

Embora o molusco contagioso não seja um perigo para a vida, logo nada realmente sério, é uma infecção da pele que pode afectar muitas pessoas, visto que quando se tem esta infecção é bem visível na pele, não sendo esteticamente bonito ver.

 

Molusco contagioso não causa comichão ou qualquer dor e mesmo cicatrizes não são normalmente encontradas após o seu desaparecimento. Algumas pessoas poderão ter uma pele um pouco mais clara no lugar onde o molusco contagioso apareceu, enquanto que outras poderão ter essa mesma área infectada com bactérias.

 

Prevenção

 

Quando e se uma criança, por exemplo, contrair a infecção de pele molusco contagioso, não deve ser visto como algo perigoso, não havendo mesmo necessidade de tirá-la do infantário, ama ou escola, ou mesmo de outras crianças com quem normalmente está em contacto físico.

 

As melhores hipóteses para poder evitar ou prevenir a infecção de molusco contagioso passam sempre por não partilhar toalhas, brinquedos, roupa e mesmo até a água do banho. Se possível, também é sensato evitar o contacto com outras pessoas, por exemplo, cobrindo as partes infectadas com roupa.

 

Algo que também se pode fazer, embora possa ser algo difícil, é o de não coçar a área ou áreas infectadas, especialmente no caso das crianças, que têm mais dificuldade em controlarem-se. Ao coçar-se poderá propagar ainda mais a infecção da pele para outras zonas do corpo.

 

Tratamentos para molusco contagioso

 

Embora molusco contagioso possa desaparecer por si próprio normalmente no espaço de 6 a 18 meses, existem tratamentos que podem ajudar a acelerar o processo de cura em muitas pessoas.

 

Actualmente poderão existir tratamentos de receita médica ou outros tratamentos médicos, mas cada vez mais pessoas estão a "virar-se" para os chamados tratamentos naturais ou alternativos para o molusco contagioso. Enquanto que alguns medicamentos de receita ou tratamentos médicos poderão causar certos efeitos secundários e mesmo alguma dor, os tratamentos naturais ou alternativos não deverão causar esses mesmos efeitos secundários, caso a pessoa não seja alérgica a esses mesmos tratamentos.

 

A melhor solução será sempre aquela com que a pessoa se sinta mais comfortável, pois cada pessoa é diferente e os resultados também poderão ser vários e diferentes para cada uma pessoa.


publicado por Tim | Quinta-feira, 21 Junho , 2012, 11:41

As unhas, tanto das mãos como dos pés, são uma parte fundamental do nosso corpo e organismo, ainda que não lhes demos a devida importância e atenção, para além de cortá-las. No entanto, e tal como qualquer outra parte do nosso corpo, é necessário manter a sua boa saúde, pois quando essa manutenção não acontece, há sempre mais probabilidades de se obterem infecçoes das unhas.

 

As unhas estão sempre susceptíveis a fungos e outras infecções, pois estãos empre em contacto com quase tudo aquilo em que tocamos ou fazemos (unhas das mãos) ou passam a maior parte do tempo em ambientes fechados, como o uso constante de meias e calçado fechado (unhas dos pés).

 

Sintomas de infecção

 

Se as unhas das suas mãos ou pés têm uma cor muito esbranquiçada ou amarelada ou são demasiado espessas ou grossas, ou se se partem facilmente ao mínimo toque, poderá ter alguma infecção das unhas.

 

As unhas infectadas por um fungo (também são chamadas de micose) poderão ser também algo dolorosas ao toque, causando um grande descomforto à pessoa, especialmente no momento de se calçar ou de caminhar.

 

Normalmente, as infecções têm início numa só unha, alastrando-se depois para as restantes. No início não há dor, mas a descoloração das unhas é evidente, o que não é nada atractivo à vista, pois parecem "doentes" e sem vida.

 

Por vezes, estas infecções são demasiado agressivas, acabando por fazerem com que a unha saia por completo, tornando-se demasiado mole e desfazendo-se. É claro, se se deixar a infecção das unhas por tratar, poderá danificar por completo as unhas e causar muita dor e descomforto.

 

Como aparecem as infecções das unhas?

 

Existem algumas formas de se apanhar uma infecção das unhas, as quais estão descritas aqui em baixo:

  • Infecção fúngica - uma infecção fúngica na pele das mãos ou dos pés (por exemplo o pé de atleta) poderá propagar-se para as unhas de ambos, se esta infecção da pele não for devidamente tratada.
  • Água - se lavar as mãos constantemente, também poderá ter uma infecção das unhas. Por exemplo, um chefe de cozinha, um médico ou pessoa de limpeza. O constante lavar também danifica a pele e a base das unhas, permitindo que os fungos penetrem.
  • Unha infectada - Uma unha que esteja recentemente danificada também terá mais facilidade em contaminar as outras.
  • Fumar - o fumar aumenta as hipóteses de uma pessoa sofrer de uma infecção fúngica das unhas, noemadamente das mãos, usadas para segurar no cigarro. 

Por vezes, as infecções das unhas aparecem "do nada", sem que haja uma razão ou razões evidentes para que tal aconteça. Em algumas ocasiões também poderá ser o seu sistema imunitário que estará fraco, dando mais possibilidades às infecções fúngicas "instalarem-se" na sua pele e no seu organismo, podendo causar os sintomas acima mencionados e outros problemas.

 

Como se tratam as infecções das unhas?

 

As infecções das unhas não são uma doença, mas podem ser tratadas na maior parte das vezes. Uma ida ao médico ou farmacêutico poderá ser suficiente para que possam analizar o estado da sua pele e das unhas e recomendar um tratamento mais adequado para a sua situação.

 

Os medicamentos são normalmente a forma de tratamento mais procurada. No entanto, sendo medicamentos de receita, causam quase sempre efeitos secundários (podem ser vários ou poucos), os quais algumas pessoas poderão não querer.

 

Existem também tratamentos naturais alternativos para as infecções das unhas, alguns dos quais também poderão ser recomendados por alguns médicos ou farmacêuticos, se virem que darão mais benefícios para si. 


publicado por Tim | Quinta-feira, 21 Junho , 2012, 10:40

 

 A sarna é uma infecção da pele que é comum em muitas pessoas, extremamente contagiosa e que causa muita comichão, e que é causada por um ácaro, que se enterra literalmente na pele, causando um descomforto muito grande. Como o ácaro é considerado um parasita, este irá alojar-se dentro da pele da pessoa, "vivendo" à custa dessa pessoa (o "hospedeiro").

 

Os ácaros da sarna são extremamente pequenos, minúsculos mesmo, medindo normalmente menos de 1 milímetro, ainda que os ácaros fêmea sejam ligeiramente maiores que os machos. Estes ácaros escavam túneis dentro da pele, onde irão alojar-se até que "deitem" ovos e estes dêem lugar a novos ácaros. No espaço de 15 dias as larvas que nasceram dos ovos chegarão ao estado adulto.

 

Como se apanha a sarna?

 

Esta infecção da pele é extremamente contagiosa, como já se disse, e apanha-se muito facilmente através do contacto físico directo. Como os ácaros da sarna não têm asas, nem conseguem saltar, o contacto físico é a forma de contágio mais fácil e evidente.

 

Exemplos de contacto físico podem ser durante uma relação sexual e o contacto prolongado entre mãos, com uma pessoa obviamente já infectada com esta infecção. No entanto, é de salientar que para que a infecção da pele da sarna seja passada de uma pessoa infectada para outra (não-infectada), é necessário que o contacto físico seja longo ou prolongado, como são os casos referidos atrás. Logo, se passar muito tempo de mãos dadas com uma pessoa infectada, irá muito provavelmente também ter essa infecção.

 

O contacto sexual também é algo prolongado, na maior parte das vezes. Logo, actos como um apertar de mãos (o chamado "passou-bem") rápido ou um abraço não serão suficientes para poder apanhar a sarna.

 

Outra forma de se apanhar a sarna é em certos locais, como por exemplo os infantários ou lares de idosos, onde se está constantemente em contacto físico com as pessoas.

 

Sintomas

 

A sarna apresenta certos sintomas, ou sinais, visíveis de que a pessoa deverá estar consciente, para saber que se trata desta infecção da pele e poder procurar tratamento assijm que possível.

  • Túneis - os túneis são normalmente finos e de uma cor algo escura, com 2-10 milímetros de comprimento. Normalmente encontram-se estes túneis na pele por entre os dedos, nas mãos e na parte interior do pulso, embora os túneis possam realmente aparecer em qualquer parte do corpo.
  • Comichão - a comichão costuma aparecer primeiro nas mãos e normalmente só notamos nos tais túneis dos ácaros quando temos esta comichão. A comichão pode ser mais agressiva durante a noite e quando se toma banho.
  • Vermelhão/erupção cutânea - aparece normalmente após a comichão, no interior das coxas, nádegas, abdómen e axilas (sovacos) e nas mulheres também poderão aparecer à volta dos mamilos.
  • Coceira - toda a gente sabe que quando há comichão... coça-se. Este coçar intenso leva normalmente ao dano da pele, acabando por fazer ferida e podendo dar lugar a outras infecções (bacterianas).

Convém informar tambérm que, se a pessoa tiver uma qualquer condição de saúde já existente, a infecção da pele da sarna poderá piorar essa mesma condição, como por exemplo a eczema (ou equizema) ou a psoríase. Como tal, o diagnóstico da sarna poderá ser muito mais difícil de se fazer.

 

Como se trata a sarna?

 

O método mais tradicional de tratamento da sarna é indo ao seu médico, para que este lhe possa fazer um pequeno exame e lhe dar um diagnóstico. Normalmente, se vir os túneis dos ácaros na pele verá que é um sinal da infecção da sarna. Por vezes poderá ser necessário o médico obter uma amostra da pele infectada, onde existe o vermelhão ou erupção cutânea, para ter a certeza que se trata de sarna e não de outra infecção da pele que possa ter sintomas semelhantes.

 

Uma outra forma de tratamento da sarna, considerada alternativa, é através de tratamentos naturais, os quais poderão ser encontrados na internet ou em casas especializadas. Alguns médicos também poderão aconselhar o uso destes tratamentos naturais, se virem que a pessoa infectada beneficiará deles.

 


publicado por Tim | Quinta-feira, 14 Abril , 2011, 10:42

A micose (ou micoses) é uma infecção da pele que é causada por um fungo, chamado fungo dermatófito, o qual se alimenta e sobrevive de células mortas da pele. Este fungo, como a maior parte dos fungos da pele que causam infecções, sobrevive em condições húmidas e escuras. O fungo pode ser "transferido" de outra pessoa, do solo, de um animal doméstico ou mesmo de um objecto qualquer que se encontre em casa.

 

O nome médico da micose é 'Tinea', normalmente seguido pelo nome em Latim da parte do corpo onde esta infecção se verifica. Por exemplo, tinea pedis afecta os pés, tinea corporis afecta o corpo e tinea capitis afecta o couro cabeludo.

 

Qualquer pessoa pode sofrer de micose, indiferente da idade, do sexo, raça ou da classe social. No entanto, a micose acontece normalmente quando o sistema imunitário está mais fraco, por exemplo quando se tem uma ferida ou um arranhão na pele, o que ajuda ao fungo da micose escapar e penetrar-se na pele e no sistema humano.

 

Como a micose é uma infecção da pele, as micoses mais conhecidas são o pé-de-atleta e as infecções das unhas. Pessoas que andem descalças em lugares públicos com muita humidade, como balneários e piscinas, pessoas que andem a maior parte do tempo com calçado fechado, sem qualquer hipótese de ventilação, pessoas com uma higiene dos pés muito pobre, estão muito mais susceptíveis em sertem infectadas com o fungo do pé-de-atleta, podendo também infectar as unhas.

 

Estes dois tipos de micose tornam, normalmente, os pés e unhas muito desagradáveis à vista, com uma cor algo amarelada ou escura. Embora estes tipos de micose sejam mais conhecidos entre os atletas desportivos, qualquer pessoa pode sofrer dos seus sintomas, se não tiver uma boa higiene dos pés e unhas.

 

Sintomas da micose

 

Os sintomas da micose são normalmente uns círculos ou anéis imperfeitos, avermelhados e escamosos. Estas manchas podem dar bastante bastante comichão, tornando-se algo muito irritante e incomodativo. A infecção da micose pode aparecer em qualquer parte dos pés, mas é mais notada entre os dedos, porque os dedos dos pés têm umas pregas, as quais criam um abmbiente escuro, húmido e quente, condições perfeitas para o fungo da micose se desenvolver e propagar.

 

Aparência da micose

 

Como a infecção da micose causa comichão nas solas dos pés, peitos e entre os dedos, há um perigo desta infecção se propagar para outras partes do corpo, como mãos, cara e torso. A micose nas unhas pode torná-las muito feias, ficando pretas ou amareladas, podendo mesmo partirem e saírem, o que não cria uma imagem particularmente muito bonita e saudável.

 

Como se trata a micose?

 

Hoje em dia existem vários tratamentos que podem ser usados ou tomados para tentar diminuir e mesmo solucionar o problema da infecção de micose. No entanto, há certas coisas que podem ser feitas para evitar e prevenir o aparecimento de uma infecção de micose desde o início. Por exemplo:

  • Lavar muito bem tanto as mãos como os pés todos os dias com água morna e sabão;
  • Secar muito bem as mãos e os pés lavados, para que não fiquem húmidos e possam atrair os fungos da micose;
  • O calçado deve ser lavado e secado constantemente, especialmente se se usar o mesmo calçado a maior parte do tempo;
  • Lavar e secar todas as toalhas molhadas ou húmidas, para não atraírem mais humidade e infecções de micose;
  • Usar meias diferentes todos os dias;

Por vezes, mesmo fazendo todas estas coisas mencionadas acima não impede que uma infecção da micose apareça e quando isso acontece, o mais aconselhado é procurar um médico para que este possa receitar ou recomendar um tratamento que possa ajudar a diminuir e eliminar a infecção da micose.

 

Medicamentos, cremes, sprays ou certos produtos naturais poderão ajudar a tratar das infecções, primeiro diminuindo a infecção e depois acabando por eliminá-la e podendo também prevenir futuros surtos de micose.

 

Como muitas pessoas hoje em dia estão consideravelmente preocupadas com os efeitos secundários que podem aparecer com o uso de certos medicamentos (algo que é normal e muito comum em practicamente todos os medicamentos), algumas preferem usar ou tomar produtos naturais para o tratamento das infecções da micose.

 

Com os produtos naturais, não existe um  grande perigo das pessoas infectadas sofrerem efeitos secundários, porque estes produtos terão ingredientes 100% naturais que não deverão trazer qualquer tipo de problemas para a saúde das pessoas.

 

Seja qual for o tratamento escolhido para resolver as infecções da micose, o que é certo é que eles existem em grande número e que não há um que seja considerado como o único que funciona. No final, a escolha é sempre pessoal de acordo com aquilo com o que é mais comfortável.


mais sobre mim
Junho 2012
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
22
23

24
26
27
29
30


arquivos
2012

2011

pesquisar neste blog
 
Google+1
Twitter
blogs SAPO
subscrever feeds